Written by: Artes Em Destaque Ilustração

A ilustração musical de Cláudia Guerreiro

Claudia Guerreiro

Cláudia Guerreira é a baixista dos Linda Martini. Mas a arte da Cláudia não se encontra circunscrita à banda lisboeta de post-rock.

A arte que ela cria é um mundo por si só. E, neste, encontramos escultura, ilustração e, para além disso, a artista também já embarcou no mundo do spot-motion e das cenografias para peças de teatro.

Será também importante acrescentar a estas áreas a medalhística e a construção de marionetas. Além disso, a ilustradora já ganhou vários prémios, e menções honrosas, pelo trabalho desenvolvido no campo das artes plásticas.

É licenciada em Escultura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, embora por razões profissionais, não tenha o devido tempo para exercer essa actividade.

Além disso, teve a presença familiar de tios escultores (Noémia Cruz e Jorge Vieira) na sua vida e, aquando da sua infância teve oportunidade de desenvolver esse seu dom de escultora, ao brincar e moldar barro.

Ainda no campo familiar, é importante destacar que o seu pai tocava a guitarra.

Fez o curso de desenho da Sociedade Nacional de Belas Artes, com uma duração de 4 anos. E, por último, também realizou um mestrado, na área da ilustração científica.

Numa entrevista à Antena 3, Cláudia comentou que “O essencial da música é a música. Não são as palavras que mudam a emoção”.

A nosso ver, o mesmo aplica-se à sua ilustração, sendo que afirmou, no seu blog Desenho por Desenho, que “dar títulos aos desenhos é coisa que não é fácil para mim…”.

Questionamo-nos assim se esta sua opinião estará relacionada com o facto de, ao nomearmos uma peça de arte, esta acaba por limitar-se às palavras (o público acaba por direccionar o seu imaginário ao conteúdo dessas mencionadas palavras) que lhe foram “impostas” ou existirá uma outra razão para essa sua percepção?

É inegável que, apesar de uma diversa ramificação artística que abordamos anteriormente, os seus diversos caminhos artísticos acabam por cruzar-se.

A ilustração de Cláudia Guerreiro encontra assim um equilíbrio musical, sendo que desenhou capas de diferentes artistas, tais como Linda Martini, If Lucy Fell, Chemical Wire, Mary Reilly, Filho da Mãe e PAUS.

Até a janela da casa de espectáculos Galeria Zé dos Bois foi alvo da sua arte.

A arte de Cláudia Guerreiro pode ser interpretada por uma transição de um elemento específico para outro.

Existiu um período na tua carreira de ilustradora onde se focou no elemento “esparguete”, (ver “Chau Min de Vaca”), havendo posteriormente uma transição, e alteração, do referido elemento para cordas.

Inclusivamente criou uma ilustração que teve a sua inspiração numa música de Linda Martini, “A Corda do Elefante sem Corda”.

A nosso ver, verifica-se nos dias de hoje o mesmo modus operandi na sua ilustração contemporânea.

Ilustração "Chau Min de Vaca": Cláudia Guerreiro ( Desenho por Desenho )

Como sabemos, o seu mundo da arte é deveras eclético.

Para além dos diversos campos artísticos que referimos anteriormente, sabemos que também já se aventurou pelo mundo das tatuagens, tendo tatuado assim, em setembro de 2008, pela primeira vez.

Redes Sociais da Cláudia Guerreira

Apoia a Arte Independente

Gostaste deste artigo e queres apoiar o Portugarte? Podes apoiar-nos com um simbólico café! Segue este link para que continuemos a divulgar o melhor da arte independente. A arte independente nacional agradece e nós também!

(Visited 114 times, 1 visits today)
Etiquetas:, , , , Last modified: Abril 6, 2021