PauloWritten by: Artes Música

Entrevista aos Mad Mojo Groove e estreia do seu EP homónimo

O grupo musical de Castelo Branco estreou recentemente o seu EP homónimo e a Portugarte esteve à conversa com o seu vocalista, João Silva.

Mad Mojo Groove

Formados em 2014 por Luís Fidalgo e João Silva, os Mad Mojo Groove são uma banda albicastrense de rock’n’roll com ritmos rápidos, volumes altos e muito overdrive. Luís Nunes e João Toscano juntaram-se ao projecto no ano 2018 para complementar a secção rítmica e adicionar mais guitarras e sintetizadores à sonoridade.

O grupo musical de Castelo Branco estreou recentemente o seu EP homónimo e a Portugarte esteve à conversa com o vocalista e guitarrista dos Mad Mojo Groove, João Silva.

Mad Mojo Groove

Com influências musicais que bebem inspirações artísticas do hardcore e punk, tais como Black Flag, de que forma é que estes movimentos musicais inspiraram a ética e valores musicais dos Mad Mojo Groove?

Como músicos  todos somos um filtro do que ouvimos, e esta banda tem a sorte de ser constituída por 4 gajos que ouvem música bastante variada e distinta uns dos outros. 

Fotografia: André Rodrigues

Isso reflete-se bastante quando tocamos e compomos juntos, entender a quantidade de influências e gêneros que conseguimos misturar numa banda rock n’ roll.  Cada música pede sonoridades diferentes consoante a sua mensagem e é esse universo de possibilidades que torna isto interessante para nós, podemos soar ao que nos apetecer e brincar com isso. 

Seja hardcore, soul, electro, punk, funk, hip-hop, até mesmo ambience! Tudo o que ouvimos nos proporciona bons momentos, aquelas malhas que marcam ocasiões e fases da vida que vamos passando juntos, e é essa a ética que inspira os mojo. Queremo-nos divertir a tocar rock n’ roll, proporcionar diversão a quem partilhar a experiência connosco, e se tivermos sorte, podemos marcar também uma ocasião na vida de alguém! 

Fotografia: André Rodrigues

O EP de estreia dos Mad Mojo Groove foi lançado no passado dia 28 de janeiro. Como sentem que foi a recepção do público relativamente a este registo musical e à vossa entrada na indústria musical portuguesa?

Esta pergunta é engraçada dado todo o panorama que nos rodeia em 2021. 

Esta pandemia impede-nos de tocar para um público que se possa abraçar, dançar, cantar conosco e curtir um concerto como há um ano atrás. Contudo, apesar de ser ainda muito cedo para ter uma ideia concreta, temos tido bom feedback e muitas mensagens de apoio por parte do pessoal! Esta EP esteve 3 ou 4 anos para nascer, teve mil imprevistos durante o seu processo, muita coisa aconteceu nas nossas vidas durante esse tempo e é muito gratificante receber este “props” de quem está a curtir o nosso som, numa fase em que estamos a descomprimir e relaxados por finalmente deixar nascer o bebé! 

Fotografia: André Rodrigues

Em relação à “entrada na indústria musical portuguesa”, toda esta EP vem ao mundo de um modo bastante DIY, sem recorrer a estúdios ou editoras, numa altura em que não há propriamente uma “indústria” para entrar! Foi um trabalho realizado entre amigos, sem orçamento, com amor à camisola e intuito de aprender com cada passo dado! 

Fotografia: André Rodrigues

No que toca à divulgação, visto não haver concertos dado o contexto em que nos encontramos, estamos a divulgar o nosso som nas plataformas digitais e teremos em breve edições físicas para quem quiser!

Em pleno século XXI, notamos a ascensão de certos géneros musicais, tais como o hip-hop, em detrimento de outros reis artísticos de outrora, tais como o rock’n’roll. A que se deve tal fenómeno, na vossa opinião?

Esse fenómeno é excelente! Hoje temos acesso a um oceano de música a partir de um telemóvel, cada vez há mais produtoras independentes a publicar música e performances, podemo-nos viciar em movimentos artísticos que estão a decorrer do outro lado do mundo como nunca antes tivemos oportunidade!

O acesso a material de produção está mais facilitado também, ter um “homestudio” já não é tão caro ou inacessível como há 10 anos atrás e dispomos uma internet recheada de tutoriais para aprender a trabalhar com tudo! Assim, é normal que ascendam cada vez mais projectos que não dependem de salas de captação, o que é muito bom, porque está a surgir muita música fantástica feita em condições totalmente diferentes do que era habitual até há uns anos atrás. 

Fotografia: André Rodrigues

No entanto, esta circunstância não deve ser vista em detrimento do rock n’ roll, hoje em dia temos bandas de rock n’ roll a surgir que são autênticas bombas! É óbvio que já não há a mesma afluência da comunidade a este género, porque agora há muito mais coisas boas a acontecer e géneros musicais a traçarem o seu próprio caminho!

Mas o rock é mesmo assim, numa década está na berra, noutra está meio desaparecido, e depois volta novamente com mais jarda ainda! Isso não interessa a quem gosta de o tocar, não vamos parar de nos divertir durante todo esse tempo!

Tal como muitas outras indústrias, o mundo da arte em geral encontra-se em stand-by devido a esta pandemia. Assim sendo, o que podemos esperar dos Mad Mojo Groove este ano? E de que forma esperam contornar as limitações impostas devido à realidade vigente?

Esta pandemia veio limitar as possibilidades de concertos, e dado que esta banda se divide entre Coimbra, Lisboa e Castelo Branco, também a quantidade de ensaios reduziu, mas não a vontade de tocar e gravar mais! Se não houver possibilidade de dar concertos, faz-se música na mesma.

Fotografia: André Rodrigues

Antes da pandemia já tínhamos recolhido material suficiente para uma EP e um LP. É nesse longa-duração que temos estado a trabalhar e vamos dedicar tempo a partir de agora. É impossível antecipar uma data dado o estranho estado do mundo, mas com networking vai ser seguramente mais fácil fazer frente às dificuldades impostas pela pandemia. 

Recentemente, o Tim dos Xutos afirmou que as rádios deveriam passar 75% de música portuguesa nas estações radiofónicas. Creem que a rádio ainda desempenha um crucial papel de difusão musical de artistas nacionais emergentes ou que, por outro lado, as plataformas musicais relevantes encontram agora o seu espaço na Internet? E como encaram assim os Mad Mojo Groove a situação de difusão e promoção do seu trabalho?

A rádio é uma ferramenta excelente para mostrar música ao mundo, mas cada vez menos ouvida pela comunidade na sua estrutura original (via frequências rádio), o que não surpreende dada a quantidade de publicidade e monopolização dos seus conteúdos.

Na verdade, há estações de rádio que se focam em passar maioritariamente música portuguesa, e num país onde se faz tanta música de tantos géneros e até onde se criam géneros inovadores, temos apenas meia-dúzia de artistas que passam 20 a 30 vezes por dia. Temos até empresas que utilizam estações de rádio para publicitar “packs” de artistas para posteriormente os venderem a organizações de eventos e festivais.

Fotografia: André Rodrigues

É triste ver tanto potencial da rádio desperdiçado. Uma mão cheia de nada.

Em contrapartida, graças à internet, cada vez mais temos novas estações de rádio online que dão oportunidade a projectos e plataformas para dar ao público o que procura, sem saturar ou limitar o universo musical do ouvinte. É claro que, por sua vez, entramos no universo dos algoritmos e visualizações, mas sempre livres de ir procurar mais e traçar um caminho autónomo na descoberta musical. 

Fotografia: André Rodrigues

Quanto aos mojo, é necessária alguma divulgação para nos abrir portas a novos públicos/palcos e é bom ter a oportunidade de fazer parte de algumas playlists ou streams, mas é algo que só tem realmente sentido se for orgânico.

Oiçam a nossa EP se vos apetecer e estiverem no mood, ou então oiçam alguma outra coisa que vos agrade mais e vos dê mais prazer! Nós fazemos o nosso som pela diversão e experiência de compor, gravar e viajar juntos. É isto que nos dá gosto, somos amigos, tocamos há muitos anos e mantemos o foco nisso mesmo. 

A nossa música está disponível para quem a quiser ouvir, estamos em plataformas que nos permitem ser ouvidos em qualquer lugar e ocasião. Vamos divulgando cada passo que damos e esperamos proporcionar bons momentos com a música que fazemos, tudo o que vier a mais que isso é bónus!


Ouve o EP de estreia dos Mad Mojo Groove


Redes sociais dos Mad Mojo Groove


Apoia a Arte Independente

Gostaste deste artigo e queres apoiar o Portugarte?
Podes apoiar-nos com um simbólico café! Segue este link para que continuemos a divulgar o melhor da arte independente.

A arte independente nacional agradece e nós também!


(Visited 46 times, 1 visits today)
Etiquetas:, , Last modified: Fevereiro 14, 2021